Didáticos
Modelos em Sulfite

Lambrequins no MicroMundos

Outras Animações
    Matemática
    Interatividade

Projeto Lambrequim 2004

Projeto Lambrequim 2005

Confecção de Lambrequim
   Por András Vörös
      Fotos
      Vídeo: Serra Elétrica
      Vídeo: Serra Manual

Modelos da Ilha Reunião

Lambrequins na TV

Malha Quadriculada


Outros
Homem Lambrequim

Lambrequins em Toldos

Lambrequins Heráldicos

Lambrequins em Louças

Lambrequins em Janelas

Lambrequins Romanos

Lambrequins em Cortinas

Lambrequins no "Flickr"

Thai Spirit House

Grupo de Teatro


Mais
Galeria de Lambrequins

Papéis de Parede

Gifs Animados

Gráficos Tipo ASCII

Quebra-Cabeças



Um pouco sobre o site

...


Um pouco sobre o início do site...

DIDÁTICOS

Meus primeiros materiais didáticos sobre lambrequins são uns modelos em sulfite que fiz em 1.998. Foi o iniciou de meu interesse pelo assunto. Na época tinha apenas uma cópia de uma cópia reduzida de um jornal (acho que é isso!). Isso fez com que eu até inventasse um modelo de lambrequim: a cabra. Quando consegui uma cópia melhor fiquei frustrada, afinal minha cabra "até" tinha ficado bonitinha. Confira!

Foi no início de um curso sobre o programa MicroMundos (ofertado pela Rede Municipal de Ensino de Curitiba aos professores que atuam em suas escolas de ensino fundamental) que minha paixão pelos lambrequins ficou maior e daí surgiu a idéia de novas pesquisas e da realização deste site.

No curso, com as professoras Mirian Carvalho, Estela Endlich e Tais Wojciechowski, após aprender a fazer a tartaruga desenhar e pintar quadrados e círculos, tive a idéia de desenhar um lambrequim. Em casa, após duas horas na base de tentativas que deram certo e outras nem tanto, surgiu meu primeiro lambrequim no MicroMundos. Desenvolvi um projeto com meus alunos de 2ª etapa do Ciclo II em 2004 e fui convidada pela profª Mirian a apresentá-lo em uma oficina de Logo Geométrico.

Quando iniciei minhas pesquisas na Internet, o que mais "aparecia" era o site da Companhia de Teatro Lambrequim, aqui de Curitiba, com atores que utilizam a "contação de histórias" populares em suas peças teatrais. Hoje o site não existe mais.Em 2009 encontrei um vídeo no Youtube sobre eles.

Apareceram também sites sobre heráldica, porcelana e toldos. A princípio achei meio esquisito, só depois de observar melhor esses novos lambrequins e respeitar o significado da palavra de uma maneira mais ampla, comecei aceitá-los com mais naturalidade.
Agradeço à equipe do site Atelier Heráldico pela autorização de uso das fotos.

A melhor surpresa foi conhecer o Gralha e seu universo curitibano-paranaense. Achei as histórias super legais, embora não sejam direcionadas especificamente para o público infantil e também não tenha disponível no site (até a minha última visita) nenhuma história com o Homem Lambrequim. Agradeço também o pessoal do site pela permissão para usar a foto e texto sobre o personagem.

TEXTOS

Encontrar textos e fotos sobre lambrequins não foi muito fácil.

O primeiro material escrito que eu consegui sobre o assunto foi uma cópia do boletim da Fundação Cultural de Curitiba com textos e fotos do professor Key Imaguire Jr. (o texto está disponível, na íntegra, no site). Quem emprestou-me esta cópia, mais ou menos em 1998, foi a profª Helena Maichaki de Lima - Valeu "Heleninha", obrigada! - A partir daí comecei a fazer os modelos em sulfite ( no site tem fotos de alguns daquela época ainda) e pedir aos alunos para fazerem a reprodução e criação de novos modelos em papel dobrado. É uma brincadeira que dá pra trabalhar as simetrias do lambrequim.

Pesquisando na Internet encontrei textos com explicações interessantes sobre lambrequins apenas em francês. Consegui a tradução através do Babel Fish, demorei para fazer uma revisão, mas finalmente já estão no site.

Na Biblioteca Pública do Paraná encontrei nos recortes da Divisão de Documentos Paranaenses alguns artigos que "levaram-me a procurar" o IPHAN.

Na biblioteca do IPHAN, contei com a paciência de Célia Regina Carrano de Oliveira. Foram alguns telefonemas e duas visitas por causa da minha inabilidade com a máquina fotográfica (que pode ser comprovada no link "minhas fotos") - Célia, muito obrigada pela ajuda e paciência!- Lá eu consegui fotografar os lambrequins ( que estão no link "acervo IPHAN") e alguns textos. Os artigos do Diário da Tarde, da revista Visão e do Periódico do IPHAN estão aqui, na íntegra (ou quase). Encontrei também o livro Arquitetura em Madeira: uma Tradição Paranaense e minha qualidade de boa fotógrafa fez com que eu tivesse que aborrecer minha irmã para não sobrecarregar a Célia. A monografia: O Lambrequim e sua Mensagem Poética é um material sensacional e, embora não tenha conseguido entrar em contato com as autoras, coloquei parte do material no site.

Minha irmã Simone e meu irmão Écio colaboraram com empréstimos dos livros: Curitiba: Capital Ecológica e Arquitetura em Madeira: uma Tradição Paranaense. Desculpem-me a cobrança familiar, mas não posso deixar de escrever: Hudson, você notou que ainda não colaborou com o site, né??

Após ler o artigo do Diário da Tarde, entrei em contato com o Profº Key Imaguire Jr. que foi simplesmente sensacional ao emprestar e permitir que eu "publicasse" as fotos e o boletim no site (como já mencionei: o texto foi copiado integralmente). Obrigada pela confiança (afinal quando levei o álbum para copiar as fotos em casa, não "deixei" nem mesmo o meu nome completo - é claro que assim que cheguei em casa, tentei "consertar" isso com um telefonema), obrigada pela paciência e muitíssimo obrigada pelas fotos!

Novamente na Biblioteca Pública do Paraná, mostraram-me o livro Espirais de Madeira: uma História da Arquitetura de Curitiba. Neste livro encontrei o texto mais interessante e detalhado sobre as origens dos lambrequins (como não consegui entrar em contato com os autores, "peguei emprestado" apenas alguns fragmentos do texto). Não me lembro dos nomes das pessoas que me auxiliaram na BPPR, sei que isso é imperdoável, mas agradeço a todos do setor de Documentação Paranaense onde sempre fui muito bem atendida. Consegui também o Código de Posturas de 1954, onde o lambrequim não é muito citado (pelo menos na parte que eu li).

Ainda não consegui o Código de Posturas de 1919, que foi citado no livro Espirais de Madeira.

No final de setembro (2005), mais uma vez pesquisando sobre o assunto lambrequins, encontrei uma lenda sobre o assunto. Após entrar em contato com a autora do texto, consegui permissão para divulgar o texto em meu site. Após o texto publicado, Luciana R. Mallon enviou também uma poesia de sua autoria: Os Delicados Lambrequins.

Após a divulgação do site na matéria: Simbólico e Poético -no jornal Gazeta do Povo- Luísa Cristina dos Santos Fontes, entrou em contato pedindo endereço para enviar um material produzido por ela. O material, simplesmente sensacional, está no link textos: Lambrequins em Ponta Grossa, e no link fotos: Lambrequins Ponta-grossenses.

FOTOS

Para conseguir as fotos, fiz vários passeios de ônibus. Algumas fotos foram tiradas dentro do próprio, deu para perceber? Conheci lugares que eu nem imaginava existir e redescobri alguns que eu achava que já conhecia.

É claro que mesmo com um mapa, eu me perdi algumas vezes. Isso não é novidade para quem já me conhece.

Minha máquina possui zoom apenas de 2x e por mais que eu queira jogar toda a culpa no equipamento sei que a dificuldade maior está em quem a opera.

Agradeço ao meu cunhado Júlio, pela oportunidade de fotografar os lambrequins da Estrada da Ribeira (se não for esta a localização exata, desculpem-me)

"Ane" e Kiyoko da Escola Miguel Krug também merecem agradecimentos, pois forneceram indicações de ruas onde encontrei casas com lambrequins.

Sei que ainda preciso aprimorar bastante minhas habilidades como fotógrafa, portanto aceito sugestões.

Agradeço, mais uma vez ao Professor Key Imaguire Jr. pelas fotos.

Agradeço ao meu ex-aluno Bernardo Princival Berlim e seu pai, pelas fotos feitas para a pesquisa que pedi aos alunos da minha turma de 2004.Agradeço também por permitirem a exposição destas fotos no site.

Agradecimento também para Felipe Peterson Linhares, aluno da turma de 2004, pelo endereço de uma casa com lambrequins aqui na região onde moro e trabalho.

Após a divulgação do site na matéria: Simbólico e Poético -do jornal Gazeta do Povo- Luísa Cristina dos Santos Fontes, entrou em contato pedindo endereço para enviar um material produzido por ela. O material, simplesmente sensacional, enviado por ela está no link textos: Lambrequins em Ponta Grossa, e no link fotos: Lambrequins Ponta-grossenses.
Luísa, muitíssimo obrigada pela colaboração.

Wilson Pallu, meu aluno de Informática, também se interessou em colaborar, após a obrigatória visita a meu site durante o módulo Internet. Foi ele quem fotografou o Portal Polonês de Araucária. Muitíssimo obrigada pelas fotos. Valeu Wilson.

Conheci Valdir Francisco quando ele entrou em contato perguntando sobre o endereço de meu site - após sua visita a biblioteca IPHAN. Assim, fiquei sabendo de sua - então - futura exposição no Museu Alfredo Andersen. Fiquei esperando a inauguração numa expectativa enorme. Foi ótimo visitá-la e revisitá-la para poder fotografar.

Andras Vörös é colaborador constante. Graças a ele consegui fotos e vídeo da confecção atual de lambrequim. Ganhei alguns modelos de lambrequins de madeira confeccionados por ele, contribui com fotos fantásticas de lambrequins e com a história da origem do homem-lambrequim. Tem também as fotos das exposições de seus trabalhos. Muitíssimo obrigada, Andras.

DOWNLOADS

Após brincar e errar bastante com a tartaruga do micromundos, e com o site já "quase pronto", surgiu a idéia de fazer uns papéis de parede.
Sei que fui bastante pretenciosa ao brincar com alguns editores de foto e pensar que alguém iria "baixar" algum papel de parede, mas ... valeu a diversão, embora eu não tenha aproveitado o suficiente para melhorar meu senso estético.

Quanto as animações em gif, até agora não achei nenhuma serventia para elas, mas até que ficaram bonitinhas e serviram para eu aprender usar mais um programa que já tinha instalado no meu computador.